Cárie

Laser e Flúor juntos na prevenção de cáries.

Desde 1994, uma equipe de pesquisadores brasileiros desenvolve protótipos de laser para aplicação na área de dentística, obtendo resultados inéditos no mundo.

“Os primeiros trabalhos in vitro mostraram a habilidade daquele protótipo para remover a cárie. Percebemos então que o esmalte dental irradiado, dentro da cavidade ablacionada a laser, passava a ter propriedades diferentes. Esse foi o início do projeto que vem investigando os efeitos potenciais de vários comprimentos de onda na prevenção da cárie a laser”, explica Denise Maria Zezell, pesquisadora do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen).

Crianças e adolescentes tratados por um ano com o laser, associado à aplicação de flúor, tiveram uma redução 40% maior na incidência da cárie do que a obtida apenas com a aplicação do flúor.

“Conseguimos um diferencial por abordar o assunto de forma multidisciplinar, com uma equipe composta por físicos, dentistas e engenheiros de diferentes especialidades. Uma das razões físicas pelas quais a irradiação a laser associada ao flúor inibe a progressão da cárie radicular é o aumento do diâmetro dos cristais de hidroxiapatita, que compõe o esmalte e dentina, após o procedimento”, ressalta Denise.

O tratamento só com o flúor atinge em média 21% de prevenção de cáries com o uso de flúor gel, comparado a placebo aplicado em crianças que estavam expostas a outras fontes da substância de forma cotidiana, como água fluoretada, sal fluoretado ou creme dental com flúor.

“Em nossos estudos a associação da irradiação laser com aplicação de fluoreto resultou num total de 60,2% de prevenção, o que é muito interessante também para estes pacientes”, afirma Zezell. O único estudo clínico sobre o assunto, publicado pelo grupo, sugere a necessidade de repetir o tratamento a cada ano para manter os efeitos.

Se tudo der certo, a novidade poderá ser incorporada pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “O tratamento não requer anestesia e é relativamente rápido, indicando um potencial de atendimento em larga escala. Além disso, deve-se levar em consideração que a irradiação laser promove efeitos mais duradouros do que a aplicação tópica de flúor isoladamente, o que leva à menor necessidade de consultas periódicas preventivas. Se houver uma política de inclusão de alta tecnologia em postos de atendimento do SUS, acreditamos que o custo do equipamento seja rapidamente compensado”, explica a pesquisadora.

Leia o artigo na íntegra.

Fonte: Diário da Saúde.

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=laser-prevencao-caries&id=6550

Compartilhar:

Laser na Odontologia I.

O uso odontológico de lasers com pulsos ultracurtos, experimentado na Faculdade de Odontologia (FO) da USP, poderá realizar remoção de cárie de modo mais preciso e sem causar grandes alterações na superfície dos dentes.

No método testado pela dentista Marina Stella Bello Silva, os pulsos mais rápidos atingem uma área menor e possuem uma interação diferenciada com a superfície, que não coloca em risco o tecido dental.

A técnica, ainda não adotada clinicamente, poderá ser usada em aplicações que os lasers comuns não são adotados, como preparo de sítio de implantes e em microcirurgias.

Os lasers de érbio, usados atualmente em odontologia, emitem pulsos da ordem de microssegundos (10-6 segundos), ou seja, cerca de 1 milhão de vezes mais curtos do que um segundo.

Os lasers de pulsos ultracurtos são empregados na indústria automobilística e de biomateriais, bem como nas modernas cirurgias oftalmológicas para correção de miopia.

“A pesquisa experimentou pulsos da ordem de picossegundos (10-12 segundos) e femtossegundos (10-15 segundos), respectivamente 1 milhão e 1 bilhão de vezes mais curtos do que os equipamentos atualmente disponíveis na Odontologia”, descreve a dentista.

O calor emitido pelo laser convencional durante a remoção de cáries pode causar danos nos tecidos adjacentes à área tratada. “Por meio de um processo conhecido como ablação, a energia do laser absorvida pela água do tecido irradiado sofre uma microexplosão”, diz Marina. “Cada pulso gera uma cavidade de 400 a 600 micrômetros, resultando em uma superfície irregular e alterando significativamente a subsuperfície”.

Os lasers de picossegundos e femtossegundos causam um aumento máximo de 4 graus na temperatura dos tecidos (o nível considerado seguro para a polpa do dente é de 5,6 graus), sem necessidade de refrigeração, obrigatória no laser de érbio.

“Com os pulsos mais curtos, a interação do laser não depende tanto do material, pois se dá em um nível energético extremamente alto , com a formação de plasma”, explica a dentista. “Assim, é possível fazer cortes mais precisos, de até 2 micrômetros, sem afetar a subsuperfície “.

Os melhores resultados para os pulsos ultracurtos foram obtidos com comprimento de onda na faixa do infravermelho , com irradiação de 100 kilohertz (100.000 pulsos por segundo).

Leia o artigo na íntegra. 

Fonte: Diário da Saúde.

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=laser-pulso-ultracurto-tratamento-odontologico&id=6240

Compartilhar:

Verdades sobre saúde bucal I.

Revendo alguns artigos recentes sobre saúde bucal, inicio esta série de recomendações, envolvendo aspectos relacionados com o tema.

1.> Está cada vez mais claro, para a população e área médica atenta, as correlações entre saúde geral e saúde bucal. Sabe-se que inúmeros problemas de saúde tem relação direta com a saúde bucal. Normalmente que cuida mal de seu corpo também está com a boca mal tratada, podendo inclusive ser da boca o início de diversas patologias orgânicas.

2.> Não devemos comer doces e alimentos ou líquidos com açúcar. O que realmente importa para a saúde bucal, não é a quantidade de açúcar ingerida, mas sim o tempo, que o mesmo permanece em contato com o interior da boca.

Isso serve também para os líquidos açucarados, cítricos e isotônicos. Todos estes itens desmineralizam o esmalte dentário, se consumidos diariamente  aumentam seus poderes destrutivos, na medida que ficam mais tempo em contato com os dentes. Lembre-se, após o consumo destes tipos de produtos cariogênicos, deve-se apenas enxaguar a boca com água, e somente após uns 30 minutos depois do término do consumo, devemos escovar os dentes. Veja em: https://www.edutavares.com.br/2009/05/erosao-dentaria-i/ para obter informações complementares.

3.> Os dentes de leite não são menos importantes que os permanentes. É lamentável que alguns pais ainda tenham esse entendimento, sobre os cuidados com a saúde bucal das crianças.

A diferença é que essa primeira dentição tem uma vida útil menor que a permanente, mas deve cumprir todo o ciclo que lhe é cabida. Uma das condições primordiais para que a dentição permanente erupcione com saúde ,é a ausência de doenças nos dentes e gengivas da criança. O ideal é que os dentes de leite “caiam” no tempo certo do permanente “aparecer”.

Qualquer alteração deste ciclo natural e ou alguma patologia bucal pode comprometer a saúde dos dentes permanentes, sem falar da parte orgânica da criança que também é afetada por doenças bucais.

Acabou o tempo de pensar e imaginar que um problema dentário restringi-se apenas a boca.

4.> Não escovar bem os dentes,  passar o fio dental de vez em quando, mas bochecho muito, com estes colutórios do mercado. Com certeza quem faz disso uma regra, terá cárie e doenças gengivais.

Quase que a totalidade destes enxaguantes bucais devem ser usados após a higiene bucal. A partir dessa indicação, é fácil imaginar que esses produtos destinam-se a prevenção e não tratamento. A placa bacteriana é bem melhor controlada por remoção mecânica, entenda atrito; sua remoção química é de pior qualidade e ainda gera divergências na comunidade odontológica.  O mais correto ainda é fazer uma boa higiene bucal para depois usar-se os enxaguantes bucais com uso indicado pós escovação.

O controle da placa bacteriana por meio químico, tem  indicações precisas, atrelado a um acompanhamento profissional.

5.> Algumas doenças como diabetes e osteoporose afetam a condição bucal. Sabe-se que o corpo está inteiramente ligado em suas mais diversas funções e ações. É nosso sangue que carrega tudo o que temos de bom ou ruim. Comente com seu dentista, em caso de doenças, quais são suas condições.

6.> As cáries não são problemas apenas dos jovens. O que ocorre é que há uma variação do local e do tipo de cárie que ocorre no adulto e no idoso. Com certeza com a idade vamos adquirindo uma maior resistência as bactérias cario gênicas, mas outros fatores como secura bucal, uso de medicamentos, restaurações, próteses com excesso ou falta de material, infiltrações nas restaurações e próteses, doença gengivais, podem resultar em cáries que no adulto, tem mais predileção na região das raízes.

Um outro fato corriqueiro, é que principalmente os idosos, frequentam muito pouco os consultórios odontológicos, para fazerem prevenção. Os procedimentos de profilaxia e flúor, deveriam ser executados de 4 em 4 meses nos idosos com boa saúde bucal. Esta periodicidade é considerada normal diante de minhas observações com idosos.

7.> As próteses e implantes são para sempre; devem apenas serem avaliadas ou “mexidas” diante de um problema. Esta afirmação é completamente equivocada. Nenhum tratamento deve ser esquecido. Não há como garantir que o tratamento executado, possa durar muito tempo sem algum tipo de manutenção.

Estes esclarecimentos devem ser feitos de forma clara para o paciente, o qual deve comparecer as consultas de rotina, para averiguação e manutenção na qualidade dos trabalhos, bem como de sua saúde bucal.

Compartilhar:

Fruta amazônica na prevenção de cáries.

Vem de uma fruta original da Amazônia a nova promessa de um fármaco potente para combater as cáries – um dos mais sérios problemas de saúde bucal no Brasil. Pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo, e da Faculdade de Odontologia da Universidade Estadual de Campinas descobriram que uma substância presente no bacupari tem alto poder de destruição da bactéria responsável pelas cáries – a Streptococcus mutans. Seu efeito seria semelhante ao da clorexidina, o mais potente antibiótico usado pelos dentistas.

 

O bacupari é o fruto da árvore Rheedia brasiliensis. Relatos anteriores davam conta de sua ação como cicatrizante e também como agente capaz de matar bactérias causadoras de distúrbios intestinais. No estudo para avaliar sua eficácia contra as cáries, os cientistas usaram extratos de cascas e sementes. O primeiro passo foi confirmar o efeito contra a Streptococcus mutans. Depois, eles partiram para a verificação do que seria mais potente: as cascas ou as sementes. Descobriram que os extratos das cascas manifestavam o mesmo poder, em concentração menor.

 

A terceira etapa foi a identificação do composto ativo. A equipe descobriu que a responsável pelo efeito é a substância 7-epiclusianona. E a boa notícia é que ela está presente em uma quantidade abundante na fruta, o que facilita sua retirada para avaliação. Além disso, segundo os cientistas, o composto é solúvel, incolor e parece não ter gosto ruim. "Nos estudos, também não apresentou toxicidade", informa Pedro Rosalen, orientador do trabalho, realizado por Ramiro Murata e Luciana Salles Branco.

 

Os cientistas pretendem prosseguir com os testes, e não apenas sobre a ação antimicrobiana do alimento. A fruta também continuará sendo pesquisada para a verificação de seu potencial anti-inflamatório e antitumoral. Alguns estudos anteriores apontaram ações do gênero. Em relação ao câncer, por exemplo, extratos da planta foram capazes de matar, em laboratório, células de melanoma (o mais agressivo tumor de pele), e de tumores de ovário, de pulmão e de mama.

 

Leia o artigo na íntegra.

 

Fonte: ISTOÉ independente.

 

http://www.istoe.com.br

Compartilhar:

A Cárie Dentária I.

A cárie dentária é uma doença que pode sim ser transmissível e infecciosa.

Mas para isso é preciso entender alguns aspectos da doença.

Sua ação inicia-se quando os ácidos resultantes de atividade bacteriana “dissolvem” o esmalte e dentina dos dentes. A produção destes ácidos se dá por ação bacteriana e enzimática.

As bactérias organizam-se formando a placa bacteriana, podendo conter diferentes espécies bacterianas, capazes de causar cárie dentária e doença gengival. Estas são as duas moléstias bucais mais corriqueiras aos seres humanos.

Os ácidos bacterianos abrem brechas microscópicas no esmalte dentário, resultando numa abertura para dentro do dente onde, por ser um tecido mais “mole” e amplo, faz estragos irreparáveis na dentina. Com o agravamento da doença a chance de evoluir para um problema endodôntico (canal) é grande. Os problemas de endodontia podem ser inflamatórios ou infecciosos, tudo vai depender da forma da agressão e a resposta biológica de seu dente.

Em casos extremos podemos até perder o elemento dentário por vasta destruição do dente.

Como as bactérias habitam toda a boca, com um contato mais íntimo há migração de bactérias de uma pessoa à outra. Só que para termos o desenvolvimento da doença é preciso este tripé de condições: placa bacteriana com espécies cariogênicas, dieta inadequada e higiene bucal deficiente.

Sempre lembrando que o açucar é o grande vilão desta doença.

A melhor forma de prevenir-se contra a cárie dentária é:

1.>Evitar a ingestão de alimenos açucarados;


2.>Correta higiene bucal com o uso de fio ou fita dental, escovação com pasta dental contendo flúor e bochechos diários com algum adstringente bucal. Lembre-se que estes bochechos na maioria dos casos devem ser feito duas vezes ao dia e não substituem qualquer outra forma de limpar os dentes;


3.>Escovar a língua;


4.>Consultas rotineiras ao Cirurgião Dentista.

Compartilhar: